Notícias

Comissão Episcopal para a Ação Sociotransformadora
Comissão Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano
Comissão Especial para a Ecologia Integral e Mineração

61 organizações religiosas e da sociedade civil publicam nota para protestar contra os assassinatos ocorridos nas últimas semanas em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, provocados por ações das polícias militares. Abaixo, a íntegra da nota.

A vida é sagrada!

Nota de Protesto diante dos assassinatos ocorridos em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia

“Quero assinalar que «é impossível imaginar que hoje os Estados não possam dispor de outro meio, que não seja a pena capital, para defender a vida de outras pessoas …». De particular gravidade se revestem as chamadas execuções extrajudiciais ou extralegais, que «são homicídios deliberados cometidos por alguns Estados e pelos seus agentes, com frequência feitos passar como confrontos com delinquentes, ou apresentados como consequências indesejadas do uso razoável, necessário e proporcional da força para manter e aplicar a lei»”.
(Papa Francisco, Fratelli Tutti, 267)

Inspirados pelo Papa Francisco, que, em seus muitos pronunciamentos em defesa da vida, reafirmou as palavras de Madre Teresa – “A vida é beleza, admira-a; a vida é vida, defende-a” –, queremos protestar veementemente contra os assassinatos ocorridos nas últimas semanas em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, provocados por ações das polícias militares, e exigir providências dos agentes estatais para a devida apuração e responsabilização dos envolvidos. Tais ações deixaram ao menos 45 mortos em cinco dias, a maioria de afrodescendentes! Operações da polícia aconteceram no Guarujá e em Santos, no litoral de São Paulo; em Camaçari, Salvador e Itatim, na Bahia; e na região da Penha, no Rio de Janeiro.

Estamos diante de uma escalada de violência e sequência de abusos das polícias militares, justificados pelo combate ao crime organizado. No entanto, consideramos que o profissionalismo da polícia não se mede pelo impacto violento e o terror que consegue gerar numa comunidade, e sim pelo respeito aos mandados judiciários e a capacidade de investigação, intervenção e prisão, sem atingir a população e provocar violência e morte.

O crime organizado é realmente uma das maiores ameaças à segurança das pessoas e à liberdade das relações sociais nas comunidades, mas seu enfrentamento deve acontecer principalmente desvendando sua estrutura de poder, seus financiamentos e suas alianças com o poder político nos diversos estados da federação.

 As mortes provocadas pela polícia devem ser investigadas com o mesmo rigor que determinou a reação do Estado à morte de um policial em São Paulo. Garantir o respeito dos direitos humanos nas ações policiais não é enfraquecer o poder do Estado, mas evoluir da política do terror repressivo para ações profissionais, qualificadas, sistêmicas e estratégicas de combate à organização do tráfico e da criminalidade.

Brasília (DF), 15 de agosto de 2023.

CBJP – Comissão Brasileira Justiça e Paz

CNLB – Conselho Nacional do Laicato do Brasil

CRB Nacional – Conferência Nacional dos Religiosos do Brasil

Movimento Nacional Fé e Política

Agentes de Pastoral Negros do Brasil (APNs)

Centro de Estudos Bíblicos CEBI-ES

Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil

Coletivo Mães pela Paz, Goiânia/GO

Comissão para Ação Sociotransformadora da Diocese de Pesqueira/PE

Comissão Justiça e Paz da Diocese de Colatina/ES

Fraternidade Leiga Charles de Foucauld do Brasil

Fórum de Mulheres do Espírito Santo

VIVAT Internacional

JPIC – Verbita

CNLB – Regional Norte 3 (TO, MT e PA)

Ordem Franciscana Secular/ Minas Gerais

Ordem Franciscana Secular/ OFS Nilópolis Rio de Janeiro

Núcleo Nacional da Teologia da Libertação Política e Religião

CEMIR, Centro da Mulher Imigrante – São Paulo/SP

Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil – OFM

Comissão de Promoção da Dignidade Humana (CPDH) – Arquidiocese de Vitória ES

Comissão Justiça e Paz – AOR – Olinda e Recife/PE

Comissão Regional Justiça e Paz do MS

Fórum Igrejas e Sociedade em Ação – Vitória/ES

Articulação das Pastorais da Ecologia Integral do Brasil

CNLB – Diocese de Caçador/SC

EDUCAFRO Brasil

OFS – Ordem Franciscana Secular/RJ

Escola de Comunidades – Diocese de Nova Friburgo/RJ

Centro de Direitos Humanos da Baixada Santista Irmã Maria Dolores – Santos/SP

Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo

Cáritas Diocesana de Nova Friburgo/RJ

Plenária Municipal de Osasco e Região / SP

Capítulo São Paulo, Araçatuba/SP

Centro Cultural de Educação Popular de Rio das Ostras/RJ – CEPRO

SINFRAJUPE

Pastoral da Criança, São Paulo/SP

Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Luís do Maranhão

Schoenstatt. Araraquara/SP

Fórum de Educação de Jovens e Adultos do ES

Mulheres EIG – Evangélicas pela Igualdade de Gênero, São Paulo/SP

Pastoral do Menor do DF

Movimento Nacional dos Cristãos e Cristãs Trabalhistas

Irmãs Pastorinhas, Boa Vista/RR

Movimento Fé e Política/ES.

Coletivo Popular Direito à Cidade – Porto Velho/Rondônia

CNLB Regional Oeste I (MS)

Pastoral Operária – Arquidiocese de Vitória/ES

CIMI GO/TO – Conselho Indigenista Missionário – Regional Goiás/Tocantins

Escola da Cidadania José de Souza Cândido, Mogi das Cruzes/SP

Ordem Franciscana Secular (OFS) do Brasil

CEBS de São Paulo/SP

CUT-ES

Pastoral Operária – Diocese de Nova Iguaçu RJ

Fórum Grita Baixada

Sindicato dos Bancários/ES

Comissão Justiça e Paz de São Paulo

Comissão Socioambiental da Diocese de São José dos Campos/SP

Comissão Justiça e Paz de Brasília CPJ-DF

Comissão Justiça e Paz do Regional Sul 1 da CNBB

CNLB Regional Sul2-PR

Instituto Paulista de Juventude -IPJ
CEFEP – Centro Nacional de Fé e Política Dom Helder Camara
CEBs Colegiada RP2-SP

Tags: