Notícias

Comissão Episcopal para a Ação Sociotransformadora
Comissão Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano
Comissão Especial para a Ecologia Integral e Mineração
Povo Pataxó | Foto: joasouza/depositphotos
Povo Pataxó | Foto: joasouza/depositphotos
Oxalá aprendamos com os povos indígenas a circularidade e linearidade democrática, onde todos, desde o menor ao maior, o mais jovem e o mais experiente, participam de forma real e efetiva na construção da vida do dia a dia e na caminhada presente e futura de seu povo.

 

Existe em mim um sentimento que me preocupa muito e me faz pensar que, apesar de continuarmos a falar de um passado presente que não queremos que se repita, a verdade é que ele continua presente de uma nova forma que sutilmente se camufla e assume os contornos do que nós e a maioria do povo querem ouvir. Eu chamaria isso de neopopulismo.
O que está acontecendo na sociedade, nos antros da política e no próprio imaginário simbólico religioso é algo que, de forma camuflada, perpetua certo tipo de poder e dominação que temos dificuldade de encarar ou que inconscientemente transformamos em ideias e falas emblemáticas que não deixam de ser, algumas vezes, ocas ou de alguma forma paradoxais.
É por isso que, como entidades das mais variadas expressões sociopolíticas e religiosas, não conseguimos ter impacto sobre uma realidade exigente e ao mesmo tempo tão evasiva que leva em seu DNA o fascinante e perverso projeto neoliberal que, teoricamente, deveria favorecer as pessoas, mas na realidade acaba ampliando as distâncias e favorecendo apenas alguns e suas estruturas e meios de poder.
Nesta linha ideológica segue toda a ação economicista, com seus tentáculos que abrangem todas as esferas, transformando-as por meio da camuflagem ético-sagrada numa aparente panaceia, suportada pelo falso rigorismo, transparência, bem-estar coletivo e negacionismo diante das realidades sociais das periferias urbanas e existenciais. Expressões evidentes disso são a derrubada dos vetos em relação às “saidinhas”, a onda de privatizações de vários serviços sociais, até chegar ao mais impressionante destes dias, que transforma o direito pétreo da educação em produto para alguns privilegiados.
Eis a razão pela qual eu estou afirmando com todas as letras que continuamos reféns de uma forma que aparenta democracia, mas que, na realidade, continua com a oligarquia, o patriarcado, o coronelismo que mudou de pele, mas continua por baixo dela alimentando uma tirânica ditadura que não mais se exerce nas praças. Ela tem seus novos adeptos e instrumentos nos palácios e nas poltronas de veludo, que enchem a boca com a palavra DEMOCRACIA, mas na realidade continuam com um status de AUTOCRACIA.
Oxalá aprendamos com os povos indígenas a circularidade e linearidade democrática, onde todos, desde o menor ao maior, o mais jovem e o mais experiente, participam de forma real e efetiva na construção da vida do dia a dia e na caminhada presente e futura de seu povo. Talvez isso nos ajude também a respeitar a casa comum e a entrar na lógica da ecologia integral, hoje uma necessidade à qual, em todas as latitudes do planeta, temos de dar resposta.

 

Editorial veiculado na Rede de Notícias da Amazônia 04.06.2024

Tags:

Autores

Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira

Dom Jose Ionilton

Dom Wilson Angotti

Gianfranco Graziola

Gilberto Lima

Igor Thiago

Irmã Eurides Alves de Oliveira

Jardel Lopes

Jardel Lopes

Maria Clara Lucchetti Bingemer

Maria Clara Bingemer

Padre Dário Bossi

Pe. Alfredo J. Gonçalves

Pe. Alfredo J. Gonçalves

Petronella M Boonen - Nelly

Petronella M Boonen - Nelly

Roberto Malvezzi (Gogó)

Rosilene Wansetto

Dom José Valdeci

Valdeci Mendes

Relacionados