Notícias

Comissão Episcopal para a Ação Sociotransformadora
Comissão Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano
Comissão Especial para a Ecologia Integral e Mineração
Encontro entre assessores do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral e da Comissão Sociotransformadora da CNBB. O objetivo da reunião foi discutir possibilidades de ações conjuntas que visam o desenvolvimento humano integral e a transformação social.

 

Por Osnilda Lima | Comunicação Cepast-CNBB e 6ªSSB

 

No dia 22 de janeiro, membros do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral (DHI), órgão que faz parte da Cúria Romana, e da Comissão Episcopal para a Ação Sociotransformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (Cepast-CNBB) se reuniram para compartilhar a missão de transformação social da Igreja e fortalecer ações conjuntas.

Dom José Valdeci Santos Mendes, presidente da Cepast-CNBB, destacou o compromisso da Comissão de se colocar ao lado dos empobrecidos, conforme o Evangelho, por meio do diálogo e projetos conjuntos com os movimentos populares.

Cecilia Barja Chamas, da seção de Escuta e Diálogo do Dicasterio, lembra que houve uma reestruturação no orgão em 2023. Com isso, destacou-se o foco na promoção do desenvolvimento humano integral e na dignidade, para evitar a exclusão no mundo.

Segundo Cecília, o Dicastério elegeu as três áreas para atuar: diálogo e escuta; reflexão e pesquisa e a comunicação. Com uma estrutura sinodal, o departamento é voltado para a escuta e devolução às Igrejas locais, acompanhando processos e não apenas ações específicas”, ressaltou.

O assessor da Cepast-CNBB, Frei Olávio Dotto, destacou que Comissão é responsável por coordenar e animar 27 Pastorais Sociais e Organismos, além de dialogar com os Movimentos Populares. “Sempre que ocorre uma ameaça à vida ou violência, a Igreja no Brasil cria uma pastoral específica para tratar, acompanhar e realizar incidência sobre o assunto. A Comissão Pastoral da Terra é um exemplo, pois acompanha as famílias que lutam pelo direito à terra e são violadas em seus direitos. Outro exemplo é a Pastoral da Moradia e Favela, que acompanha a população que luta pelo direito à moradia”.

“Aderir à visão sociotransformadora da fé pode, por si só, ser conflituoso, pois questiona o status quo e a própria religião, que não deve se limitar à dimensão assistencialista”, observou Padre Dário Bossi, assessor da Cepst-CNBB.

O assessor lembrou que muitos cristãos apoiam o princípio de “dar comida aos famintos”, mas alguns não aceitam a dimensão de trabalhar políticas que alterem, que mudem a estrutura que gera o empobrecimento, a fome. E isso, também tem a ver com enfretamento a emergência climática.

Cecília lembrou o que Dicastério é um membro ativo da Aliança Eclesial para a Ecologia Integral (ENA) e está engajado com as Redes Territoriais para Ecologia Integral (RETEIs), seguindo a experiência de incidência global. A ENA obteve significativa incidência ao construíu processo conjunto com a Santa Sé na COP28. E já foi colocado como pauta pensar ações conjuntas para a COP30 que será realizada no Brasil.

Por fim, a secretária executiva da 6ª Semana Social Brasileira (6ªSSB), Alessandra Miranda, compartilhou o percurso desta sexta edição, que começou em 2020. “Nosso objetivo é criar um projeto popular para o Brasil, organizado em planos de incidência política locais”, afirmou Alessandra.

O mutirão conclusivo da 6ªSSB ocorrerá em março de 2024, encerrando o itinerário de quatro anos, com a elaboração do Projeto Popular “O Brasil que queremos: o Bem Viver dos Povos”. Vale enfatizar que o tema da 6ªSSB é inspirado no apelo do Papa Francisco: “Mutirão pela vida: por terra, teto e trabalho”. Construção

 

Encaminhamentos da reunião

  1. Com a Comunicação do Dicastério, potencializar o fluxo de informações, para dar maior visibilidade aos acontecimentos e posicionamentos da Igreja do Brasil;

  2. Potencializar o intercâmbio de experiências positivas entre a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e Conselho Episcopal Latino-Americano;

  3. Socializar os resultados da 6ª Semana Social, tornar agenda de diálogos entre o Dicastério e a Cepast-CNBB;

  4. Promover, com maior frequência, diálogos entre o Dicastério e a Cepast-CNBB;

  5. COP30: criar um grupo de trabalho para pensar agenda comum.

Participaram da reunião

Cecilia Barja Chamas, da seção de Escuta e Diálogo do Dicastério; Elaine Silva, da seção de Pesquisa do Dicastério; Padre Avelino Chico (SJ), Seção de Escuta e Diálogo do Dicastério; Dom José Valdeci Santos Mendes, presidente da Cepast-CNBB; Frei Olávio Dotto e Padre Dário Bossi, assessores da Cepas-CNBB e Alessandra Miranda, secretaria executiva da 6ºSSB.

Tags: